Seca adia término da campanha de vacinação

Text Resize

-A +A

Compartilhar

11/04/2003

Seca adia término da campanha de vacinação

 

Por causa da seca que atinge principalmente o Norte e Noroeste baiano, com estiagens prolongadas até mesmo no Recôncavo, a Agência de Agropecuária da Bahia (Adab), responsável pelo controle e prevenção das zoonoses, prorrogou até o dia 15 a campanha de vacinação do gado contra a febre aftosa. A Adab mantém a meta de atingir um índice de 95% de vacinação do rebanho, que é de cerca de 10 milhões de cabeças, envolvendo algo em torno de 1,2 mil funcionários e 280 veículos da Secretaria de Agricultura(Seagri) em todo o Estado, e recursos em torno de R$ 800 mil.

A ausência de chuvas atinge, desde o ano passado, municípios como Feira de Santana, a 110 quilômetros de Salvador, Ribeira do pombal, a 256 quilômetros, Paulo Afonso, a 435 e Juazeiro, a 500 quilômetros da Capital, onde é particularmente sentida. `Em alguns a situação é de calamidade, e os animais estão sendo recursados( transferidos)pelos produtores para áreas com mais alimento`, explica o gerente de saúde animal da Adab, Itamar Garrido.

Para convencer os criadores, a diretoria da Agência viaja em duas equipes pelo Sul e Oeste, contatando prefeituras, cooperativas, sindicatos e produtores para que vacinem seus planteis, mantendo a certificação de zona livre da aftosa, conforme os padrões estabelecidos pela Organização Internacional de Epizootias(OIE).

Itamar esclarece que mesmo ficando abaixo dos 92,5% de vacinação obtidos no ano passado, não há risco de perda da certificação, que estabelece um percentual mínimo de 85% do plantel vacinado. No nordeste, apenas A Bahia e Sergipe estão, até agora, certificados pela OIE e Ministério da Agricultura (MA).

Controle

Para minimizar o risco de contaminação, elevado pelas dimensões das fronteiras, a Seagri intensificou a vigilância nos 43 postos de fiscalização de produtos agropecuários, na divisa com os estados do Piauí, Pernambuco e Alagoas, registrando a apreensão de 6oo animais, imediatamente sacrificados (cremados). `Esta diretriz vai permanecer até que os demais estados avancem na luta contra a doença`, afirma o secretário de Agricultura do Estado, Pedro Barbosa.

Uma pré campanha estratégica de informações e incentivo à vacinação foi iniciada em fevereiro pela Adab que coordena também ações contra a brucelose, tuberculose e raiva de herbívoros, a partir de 15 coordenadorias espalhadas pelo interior baiano. O diretor da Agência, Luciano Figueiredo, considera a conscientização essencial para manter o status de zona livre da aftosa, especialmente em áreas distantes do Além São Francisco, que concentra os municípios mais pobres.

`Embora a OIE estabeleça 85%, os técnicos consideram este índice arriscado para a manutenção do controle. A lucratividade e o acesso irrestrito ao mercado internacional são argumentos que os técnicos usam para reforçar o convencimento em sua peregrinação junto aos produtores. Em setembro, está prevista uma nova etapa da campanha de vacinação.

 

Alvaro Figueiredo*, de Salvador
*Especial para a Gazeta Mercantil