Pesquisa inédita monitora ciclo de vida de eucaliptos

Text Resize

-A +A

Compartilhar

06/01/2006

Pesquisa inédita monitora ciclo de vida de eucaliptos


 


O que acontece com o solo e a água durante a vida útil de um eucalipto utilizado para fins de fabricação de celulose? A resposta não é tão simples, mas uma pesquisa inédita que vem sendo realizado no Rio Grande do Sul tentará mostrar como reagem esses fatores durante o longo ciclo de vida de uma árvore.



"Falam-se muitas aberrações sobre os danos das plantações de eucaliptos, mas estamos tentando entender o que realmente acontece", diz o responsável pelo projeto, o pesquisador Mauro Schumacher, da Universidade Federal da Santa Maria (UFSM). A pesquisa, em parceria com a Votorantim Celulose e Papel (VCP) e a Universidade de Freiburg, da Alemanha, tem orçamento inicial de US$ 200 mil.


A intenção é monitorar a água, o solo, os nutrientes, a temperatura, a umidade, a velocidade e direção dos ventos e a iluminação em quatro áreas numa fazenda de 3,6 hectares pertencente à VCP. Os resíduos orgânicos, como folhas e outros materiais, também serão coletados para a análise.


Os trabalhos devem ser finalizados apenas em 2012, mas o monitoramento será capaz de revelar o que acontece com o comportamento das árvores a cada três horas. Todo o sistema, abastecido por energia limpa através de coletores de energia solar, é mantido ligado 24 horas por dia.


O projeto, que vem sendo desenvolvido no município de Candiota, no Sudeste do Estado gaúcho, acompanhará por sete anos o desenvolvimento de plantações de eucaliptos, convivendo sozinhas e com outras culturas agrícolas. Uma das áreas terá sua vegetação preservada, com o campo nativo.


Numa delas, foram plantados eucaliptos em fileiras com espaçamento de dez metros, reproduzindo o modelo pelo qual a Votorantim espera que fazendeiros interessados em vender madeira à empresa façam em suas terras.


Em abril, a Universidade Federal de Santa Maria começará a desenvolver o mesmo trabalho com o pinus, uma árvore considerada mais agressiva ao meio ambiente, por sua característica invasora. (AV)