Adab treina técnicos da Agrodefesa de Goiás

Text Resize

-A +A

Compartilhar

17/10/2012
Imprensa Seagri
Area de Interesse 
Institucional
Adab treina técnicos da Agrodefesa de Goiás
 
 
 
Com intuito de conhecer os trabalhos na área de fitossanidade de citros realizados pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) - órgão vinculado à Secretaria da Agricultura (Seagri) - e Embrapa/Mandioca e Fruticultura Tropical, oito técnicos da Agrodefesa de Goiás participaram de treinamento no Recôncavo Baiano, na última semana. 
 
Durante três dias, os visitantes conheceram as ações implantadas pelo Projeto HLB Bio Math que visam subsidiar a defesa agropecuária com dados estratégicos sobre o patossistema do Huanglongbing (HLB) dos Citros, principalmente sobre os hospedeiros (Citros e Murta) e inseto vetor da bactéria (Diaphorina citri).  
 
O treinamento, que aconteceu na sede da Embrapa/CNPMF, foi ministrado pelo pesquisador Antonio Souza do Nascimento (Embrapa), Ricardo Lopes (bolsista de pós-doutorado/Embrapa), Suely Brito (fiscal estadual agropecuário/Adab), além dos colaboradores Dilson Brito e José Carlos Neri (Laboratório de Entomologia) e Ícaro Sanches (estagiário da Universidade Federal do Recôncavo Baiano - UFRB). 
 
“Mesmo em um cenário em que a bactéria está ausente dos pomares, os estudos que estão sendo conduzidos na Bahia, servirão para subsidiar a tomada de decisão no momento em que a praga invada o nosso território”, explica o diretor de Defesa Vegetal da Adab, Armando Sá. “E é por isso que os técnicos da Agrodefesa estão interessados em conhecer os procedimentos de campo e rotina laboratoriais em curso na Bahia, haja vista a possibilidade de implantá-los em Goiás, Estado com mesmo status fitossanitário que a Bahia para o HLB: livre de ocorrência da praga”, completa.
 
Para a coordenadora do Projeto Fitossanitário da Cultura dos Citros, Suely Brito, “ao final do treinamento, a Agrodefesa estará pronta para ingressar na Rede Sentinela, uma estratégia criada pelo Projeto HLB Bio Math para congregar esforços interinstitucionais face à ameaça fitossanitária do Huanglongbing, a mais grave e destrutiva doença da citricultura mundial”, finalizou.
 
Fonte:
Ascom/Adab
(71) 3115.2794