Municípios baianos se tornam livres da Zona de Proteção contra a Febre Aftosa

Text Resize

-A +A

Compartilhar

16/07/2014
Secom Bahia

Municípios baianos se tornam livres da Zona de Proteção contra a Febre Aftosa

 

Com a recente publicação da Instrução Normativa Nº 16, de 2014, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), automaticamente se desfaz a Zona de Proteção contra a Febre Aftosa do estado da Bahia. A zona de proteção, que substituiu a zona tampão extinta em 2010, engloba cerca de dez mil criadores dos municípios de Casa Nova, Remanso, Campo Alegre de Lourdes, Pilão Arcado, Buritirama, Mansidão, Santa Rita de Cássia e Formosa do Rio Preto, os quais passam a integrar a comercialização e o trânsito de animais em todo o estado, com rebanho de aproximadamente 230 mil cabeças.

A instrução também declarou os demais estados do nordeste como área livre de febre aftosa, com reconhecimento internacional ocorrido durante a 82ª Seção Geral da Organização Mundial de Saúde Animal, em Paris, no dia 29 de maio de 2014. A zona de proteção compreendia uma área de 58.201 quilômetros quadrados no norte do estado, e foi estabelecida pelo Mapa como área de proteção para impedir a entrada de animais com possibilidade de estarem infectados pelo vírus da aftosa, uma vez que a Bahia faz divisa com estados onde o risco de infecção, até então, era desconhecido. 

“O trânsito livre vale para os bovinos, ovinos e caprinos, ficando restrito apenas o dos suínos porque alguns estados do norte e do nordeste ainda não são considerados livres da peste suína clássica”, esclarece o diretor de Defesa Sanitária Animal da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Rui Leal.

O diretor geral da Adab, Paulo Emílio Torres, explica que a vigilância ativa é exercida pela agência com maior atenção na zona de proteção, por ser considerada área de maior risco para o país. “Os índices de imunização contra a febre aftosa nos municípios da zona de proteção comprovam a evolução da qualidade da pecuária e da consciência do criador quanto à necessidade de vacinar os animais, atestada com o índice vacinal de 96% na segunda etapa da campanha contra a febre aftosa, em novembro de 2013, ficando acima da média estadual. Desta forma, a Bahia apresenta, nos últimos anos, estabilidade sanitária referenciada nacionalmente, indicando para o fortalecimento da defesa agropecuária baiana”. 

Trânsito livre para criadores 

A Bahia que durante muitos anos conviveu sanitariamente com a cisão da zona tampão e da zona de proteção, hoje tem a unanimidade do estado com tratamento igualitário a todos os criadores e a total eliminação de qualquer restrição, para a enfermidade, do trânsito interno e em território brasileiro, já que apenas Amapá, Roraima e Amazonas não têm o reconhecimento de livre da aftosa com vacinação.

Para o secretário da Agricultura, Jairo Carneiro, a pecuária baiana está pronta para crescer ainda mais, com importantes impactos sociais e econômicos. “O próximo passo é alcançar status de país totalmente livre da doença. Para isso, o Mapa e os governos dos estados realizam trabalho conjunto para proteger o patrimônio pecuário nacional, tornando-o mais igualitário e competitivo”. 

A Bahia é detentora do maior rebanho bovino da região nordeste e possui desde 2001 o status de livre de Febre Aftosa com Vacinação. O Brasil possui agora, com reconhecimento internacional, 23 estados e o Distrito Federal (DF), como livres de febre aftosa com vacinação. Santa Catarina continua sendo o único livre da doença sem vacinação.

Fonte: SECOM-BA