De agosto para setembro, crescem estimativas da 2ª safra de feijão e da produção de mandioca na Bahia

Text Resize

-A +A

Compartilhar

11/10/2017
Sistema FAEB
Area de Interesse 
Desenvolvimento Agrícola

De agosto para setembro, a estimativa nacional para a 2ª safra de feijão aumentou 3,8%, chegando a 1,256 milhão de toneladas, acompanhando os aumentos no rendimento médio (+0,5%, indo a 1.073 kg/ha) e na área colhida (+3,4%, chegando a 1,171 milhão de hectares).

A Bahia, com um aumento de 18,7% na estimativa da 2ª safra, entre agosto e setembro, foi um dos estados que contribuíram com essa revisão para cima da produção de feijão – ao lado de Minas Gerais (4,2%), São Paulo (11,5%), Mato Grosso (9,9%) e Goiás (47,9%).

No estado, a 2ª safra de feijão deve chegar a 167,8 mil toneladas, mais que quatro vezes o que foi colhido em 2016 (+341,5%), com incrementos na área cultivada (+40,6% em relação a 2016, chegando a 243,5 mil hectares) e no rendimento médio (+155,5% em relação a 2016, chegando a 718 kg/ha).

A estimativa da produção brasileira de mandioca em 2017, 20,8 milhões de toneladas, também foi revisada para cima (+3,3%) entre agosto e setembro, sob influência dos aumentos da produção na Bahia e no Paraná, entre um mês e outro.De agosto para setembro, a previsão da safra de mandioca foi reajustada na Bahia, com aumento de 21,6% da área a ser colhida (chegando a 192,1 mil hectares) e de 19,5% da produção, que deve alcançar 2,1 milhões de toneladas. Assim, em relação a 2016, espera-se no estado, neste ano, uma produção de mandioca 6,3% maior.

O bom desempenho esperado na lavoura baiana, porém, não deve ser suficiente para que a produção brasileira fique acima do colhido em 2016. A previsão é que a safra nacional de mandioca em 2017 seja 1,5% menor que a do ano anterior, influenciada em grande parte pelas perdas esperadas no Paraná (-19,6%, chegando a 3,1 milhões de toneladas) e no Pará (-0,7%, indo a 4,2 milhões de toneladas), os dois principais produtores.

A Bahia tem a terceira maior produção de mandioca do país, respondendo por 10,0% da safra brasileira.

Fonte: IBGE

Exibir no Canal do Agroinvestidor? 
0