Seagri discute políticas para a produção de algodão no Oeste baiano

Text Resize

-A +A

Compartilhar

28/05/2019

O secretário de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura da Bahia (Seagri), Lucas Costa, conheceu nesta terça-feira, 28, o laboratório de análise da qualidade de fibras da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), no município de Barreiras, no oeste baiano. 
O gerente de laboratório da Abapa, Sérgio Brentano, mostrou como é feita a verificação e padronização dos processos classificatórios do algodão brasileiro, que garantem a qualidade e credibilidade dos resultados. 
O secretário estava acompanhado do superintendente de Políticas para o Agronegócio, Marcílio Menezes; do superintendente de Desenvolvimento Agropecuário, Adriano Bouzas; e do superintendente  federal da Agricultura da Bahia do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Paulo Emílio Torres. 
Eles discutiram novas possibilidades de ampliação da produção do algodão baiano, e as ações da Seagri que apoiem o produtor, inclusive no combate às pragas e doenças antes da colheita da safra desse ano, que deve acontecer no próximo mês. 
De acordo com a Abapa, a previsão é que esse ano o estado tenha uma produção de 1,5 milhão de toneladas de algodão (caroço e pluma), com uma produtividade de 300 arrobas por hectare - o que representa um 
crescimento de 15% em relação ao ano passado. 
Isto se deve ao incremento de 25,5% de área cultivada, principalmente na região Oeste da Bahia, alcançando os 331.028 mil hectares.
A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do Brasil, com uma fibra de alta qualidade, responsável por 25% da safra nacional.

 

Ascom Seagri

Letícia Belém

Foto: Marcílio Menezes/ Seagri