Investidores internacionais apostam na Bahia para produção suína

Text Resize

-A +A

Compartilhar

18/02/2020

 A Bahia produz apenas 25% do que é consumido de suíno internamente no Estado. O que faz esse segmento ser promissor para a economia do agronegócio e bastante interessante no que diz respeito à investimento de empresas estrangeiras vindas de Portugal e Itália - países que já detém a expertise na suinocultura.
No intuito de verticalizar essa produção na Bahia, o secretário de agricultura, Lucas Costa acompanhou a comitiva italiana e a  equipe da Associação de produtores de suinocultura da Bahia numa visita aos três polos promissores para essa produção: Oeste, Recôncavo e Médio Sudoeste Baiano.
O reforço nessa empreitada se deu na tarde desta terça-feira, 18/02, quando o vice governador da Bahia, João Leão, ao lado do secretário da Seagri, Lucas Costa, assinaram o protocolo de intenções para o fomento da produção de suínos na Bahia junto à comitiva italiana.“Nossa intenção é promover a verticalização na produção de grãos - que alimentam os animais-, agregando mais valor a produção do nosso agronegócio já que proteína animal tem um valor agregado muito maior do que as comodites produzidas no oeste baiano. Esse é um mercado de forte interesse internacional de portugueses, italianos e, dos chineses que tiveram sua produção abalada recentemente pela peste africana. E nós aqui na Bahia temos um campo muito aberto e um marcado excepcional para esse nicho econômico. Além de ser a Bahia o Estado zona livre de peste suína clássica. O que traz segurança aos investidores.”, afirmou Lucas.
 

Ascom Seagri