Bahia avança na execução do Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa

Text Resize

-A +A

Compartilhar

16/09/2021

A Bahia já executou mais de 80% das ações dentro do Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA) 2017 a 2026. A informação foi divulgada na manhã desta quinta-feira (16) durante reunião da Equipe Gestora do PNEFA-Ba (EGE-Ba) que reuniu corpo técnico da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Federação da Agricultura da Bahia (Faeb), Superintendência Federal da Agricultura na Bahia (SFA-Ba), Secretaria de Agricultura do Estado da Bahia (Seagri), Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Conselho de Medicina Veterinária da Bahia. O evento virtual teve ainda como objetivo apresentar dados complementares da 1º Fase da Campanha de Vacinação Contra a Febre Aftosa, cujo índice alcançou 93,36% de imunização dos bovinos e bubalinos em todo o estado.

 

Resultados preliminares da segundo ciclo da auditoria realizada pela SFA-Ba em Abril deste ano, apontam para avanços no PNFA na Bahia, entre eles, o aumento da taxa de propriedades atendidas para 86,58%, a realização de supervisões internas, além da criação e fortalecimento do setor de epidemiologia. “Reuniões de avaliação como essa possibilitam melhorias de forma conjunta entre o órgão central e os executores da defesa agropecuária. Estamos num caminho positivo e com todas as garantias de que temos segurança sanitária em nosso estado. Por tudo isso, a Adab está de parabéns pelo trabalho já realizado até agora”, disse Cássio Peixoto, representando o superintendente, Nilo Ferreira.

 

Todas as ações dentro do PNEFA visam a suspensão da obrigatoriedade da vacinação contra a Febre Aftosa e, neste sentido, a Adab tem unido esforços com criadores e cadeia produtiva para ampliar os índices e seguir as recomendações do Ministério da Agricultura. “Nossos números de cobertura vacinal e o árduo trabalho desenvolvido pela nossa equipe técnica ao longo de todos esses anos mostram que a Agência e os produtores cumpriram seus papéis”, avaliou o diretor geral da Adab, Oziel Oliveira. “O próximo passo é complementar as ações para ter subsídios necessários ao requerimento da suspensão da vacina e assim investir recursos nas atividades de fiscalização do trânsito, assegurando uma defesa sanitária ainda mais eficaz do que já fazemos hoje”.

 

Presente ao encontro, o presidente da Faeb, Humberto Miranda, destacado o comprometimento dos fiscais da Adab quanto os quesitos apontados nas auditorias e a transparência da Agência em todo o processo. “O setor produtivo se sente confortável em ver os pontos positivos e ainda mais seguro ao ter acesso a informações do que precisa ser ajustado. A união entre poder público e iniciativa privada é importante para a economia do nosso estado e temos um cenário muito favorável na Bahia, diferentemente de outras unidades da federação”.

 

Mesmo como encerramento da 1ª etapa de vacinação, a Adab dá continuidade às ações. “A campanha termina, mas as atividades continuam de forma ativa o ano todo porque precisamos alinhar estratégias, reajustar direcionamentos e ver a melhor maneira para otimização de recursos”, enfatizou o diretor de Defesa Animal, Carlos Augusto Spínola, lembrando que a Agência tem intensificado a interação com o segmento da Educação Sanitária, dando ênfase para as notificações de enfermidades vesiculares demais ações de vigilância ativa. Além disso, a Adab iniciou uma nova etapa do processo de Geolocalização de Propriedades, com a autodeclaração pelos criadores, quesito fundamental para a suspensão da obrigatoriedade da vacina. Com relação aos índices de cobertura vacinal, em função das medidas pós etapas implementadas, apenas 64 municípios baianos ficaram abaixo de 90% e houve uma redução de 10% do percentual de inadimplência com relação à vacinação do rebanho em toda a Bahia.

 

“Diante das dimensões do território baiano e das dificuldades enfrentadas pela pandemia, consideramos os dados bastante satisfatórios. A Adab tem a função básica de atender ao produtor e defender seu patrimônio pecuário, dando seguridade sanitária aos plantéis e superando as metas estabelecidas pelo MAPA”, destacou o coordenador do PNEFA-Ba, José Neder. “Nossa expectativa é que o relatório final da auditoria dê um panorama positivo, de evolução das atividades, porque a suspensão da vacina é um caminho irreversível. E todas as nossas ações estão voltadas para provar que temos um serviço de excelência, com segurança sanitária capaz de identificar rapidamente qualquer situação de risco em nosso estado”, finalizou.

 

Texto: Ascom/ADAB
Foto: Div./Ascom SEAGRI